Cheirinho a Marajás e elefantes!

Fatehpur Sikri Travel Blog

 › entry 7 of 23 › view all entries
Os nossos elefantes

Para não estragar a rotina, combinamos o pequeno almoço por volta das 7h. Este foi o primeiro dia em que tivemos um pequeno almoço à séria na viagem. Neste pequeno almoço havia de tudo: pão, fruta, doce, chá, café, ovos,…  e já não tivemos de dividir dois muffins por 9 pessoas como aconteceu em Delhi.

A primeira grande surpresa do dia foi sem dúvida a mini van que nos veio buscar ao hotel. O conceito de mini van indiano é um pouco diferente do nosso. Afinal uma mini van dava para mais de 30 pessoas!

Por volta das 7h30, tal como planeado, seguimos para o Amber Fort.

Amber Fort está localizado em Amber, que fica a 11Km de Jaipur (o nosso anterior destino), estado de Rajasthan. Amber foi a cidade do clã Kachhawa antes da capital ter sido mudada para Jaipur. O Forte Amber é conhecido pelo seu estilo artístico único, uma mistura entre elementos Hindus e Mughal.

Amber foi originalmente construído pelos Meenas na cidade que eles consagraram a Amba, a Deusa Mãe, conhecida por “Gatta Rani” ou “Queen of the Pass”.

O actual complexo de palácios começou a ser construído no reino de Raja Man Singh, comandante chefe do exército de Akbar, em 1592. A estrutura inicial do forte foi completada pelo seu descendente Jai Singh. Amber foi modificada ao longo do tempo pelos sucessivos governantes durante 150 anos até que Kachwahas mudou a capital para Jaipur no tempo de Sawai Jai Singh II.

A estrutura conhecida hoje como Forte Amber foi inicialmente um complexo de palácios dentro do forte de Amber original que hoje é conhecido como Jaigarh Fort.

O exterior do Forte Amber, uma estrutura dura e defensiva, é bastante diferente do seu interior bastante ornamentado que sofreu influências Hindu e Muslim. As paredes interiores estão cobertas de murais, frescos e pinturas de cenas do dia a dia, outras paredes estão cobertas de mosaicos e de pequenos espelhos. 

Ainda na camioneta a caminho do Forte vimos imensos macacos na pequena vila por que passamos. O guia explicou-nos que estes macacos podiam ser traiçoeiros, especialmente os macacos com focinho vermelho. Geralmente, estes macacos entram na casa dos indianos, abrem as portas dos frogoríficos e roubam-lhes comida, outras vezes roubam a roupa que está estendida e depois trocam-na por comida!

Subimos até ao Forte Amber de elefante! Quando saímos da “mini van” para apanhar os elefantes que nos levariam até ao Forte Amber, fomos, como já vinha a ser hábito na Índia, “atacados” por bandos de vendedores que nos tentavam vender de tudo um pouco: tshirts, porta chaves, gravuras, sininhos em forma de elefantes, fotografias, quadros ….

Dois a dois fomos ocupando os elefantes que subiam ordeiramente o caminho que separa Amber do Forte. Durante a subida deu para apreciar (após os nervos se terem acalmado pois para alguns era a primeira vez que andavam em cima de tais animais) Jaipur ao longe, o lago e as muralhas da cidade que se estendiam por entre as montanhas. Os vendedores fazem também parte da paisagem, sempre a abanar alguma coisa e a pedir uma centena de ruppis!  Numa das encostas do Forte estavam uma dezena de indianos a tirar fotos aos turistas que subiam até ao Forte de elefante. A ideia é no final do passeio eles venderem-nos as fotos.

Entramos no Forte de elefante pela entrada principal do Forte - Surajpol, tal como faziam os marajás, ao som de música e de muita gente, até ao pátio principal, Jaleb Chowk. No forte estavam a rodar um filme de Bollyhood pelo que o atrium inicial não é actualmente o que as nossas fotos mostram.

Subindo as escadas chegamos a um pátio onde encontramos o Diean-i-Aam para audiências públicas.

O jardim interior de Amber Fort
Perto fica Sattais Katcheri uma colunata de 27 pilares onde estavam os escribas que registavam as receitas públicas.

No forte visitamos dois palácios de dois marajás. Jai Singh tinha 2 mulheres e o Man Singh 12 (para além de de vez em quando ter umas concubinas, empregadas,… tinha uma vida muito ocupada, tal como disse a Sandra).

A entrada para o primeiro complexo faz-se por Ganesh Pol, uma porta com três andares construída em 1640, está ligada aos aposentos privados pelo andar superior, co grades rendilhadas, destinado às mulheres em reclusão (purdah).

O primeiro complexo de palácios era constituído por dois palácios: o de verão (cheio de pequenos canais por onde passava a água de modo a refrescar as divisões) e o de inverno (Sheesh Mahal tem as paredes repletas de pequenos espelhos perto dos quais eram colocados velas que aqueciam as salas e davam a impressão de haver mil estrelas nas paredes (devia ser bem giro!). Entre os aposentos de verão e de inverno encontrava-se o Aram Bagh, o jardim dos prazeres.

No segundo complexo de palácios, o andar de baixo era constituído por doze casas (cada uma das dozes mulheres tinha uma casa própria). Cada uma das casas tinha uma passagem secreta até ao andar superior onde estavam os aposentos do marajá. Tinha 12 mulheres e um grande medo de todas elas! Quando alguma das mulheres ía ter secretamente com o marajá, o carrinho que as levava tinha algodão nas rodas de modo a não fazer barulho (digamos que era para as outras não saberem quem tinha feito companhia ao marajá nessa noite). De dia, as mulheres e criadas, dançavam no pátio comum e o marajá deliciava-se a vê-las da janela dos seus aposentos.

Para descermos do forte, apanhamos uns jeeps e mais umas rupias que voaram dos nossos bolsos sem contarmos! Ainda negociamos algumas das fotos que nos foram tiradas quando subíamos de elefante até ao topo do forte, mesmo à porta do autocarro.

Apanhamos a mini van em direcção a Agra mas ainda tivemos tempo para parar junto ao Palácio da Água de Deeg, uma romântica estância de Verão dos reis Jat.

LOL... Funny Face!
A magia das monções serviu de inspiração a uma composição de arenito e pavilhões de mármore, repleta de jardins e lagos.

Ainda em Jaipur fomos visitar um pequeno complexo de artesanato local onde vimos a tingir/pintar tecidos, a tecer e a fazer toda a preparação dos tapetes. Tivemos ainda que aturar uma exposição de tapetes, ora em lã, ora em seda até que dissemos que não estavamos interessados em comprar tapetes…

A caminho de Agra foram poucos os que resistiram ao sono, e um a um lá fomos todos caindo a dormir!

Ainda antes de chegarmos a Fatehpur Sikri, fomos almoçar a um restaurante (tipo área de serviço) ...inhamos cerca de 20 a 30 minutos para almoçar (para chegarmos a tempo de visitar Fatehpur). O Michael ao princípio nem se queria sentar... era para pressionar o pessoal a servirem depressa o almocito. “Fraquinhos” como somos pedimos todos Chiken Tikka (sem molho para não arriscar), apenas o Dani manteve o seu estilo “quero o prato mais picante que tiver” desta vez com vegetais para desenjoar da galinha.

Seguimos caminho e finalmente chegamos a Fatehpur Sikri, eram já 16h30. Tal como já vinha sendo hábito, tivemos de pagar um rikshaw (e desta vez sem discussão de preço!!!) ...100 rupias para nos levarem no parque de estacionamento até à porta de Fatehpur. Quando estavamos a sair dos rikshaws, o efeito malarone atacou a Rosário que ao sair por pouco não derrubou o rikshaw!

Fatehpur Sikri foi a capital política do império Mughal na Índia no reinado de Akbar, de 1571 a 1585, quando foi abandonada devido à falta de água na cidade.

Akbar quis fazer de Fatehpur Sikri o seu quartel general. Assim, mandou construir este majestoso forte onde permaneceu durante 14 anos. No entanto, devido à falta de água teve de se mudar para o Agra Forte.

Apesar das várias mulheres, Akbar não inha filhos, no entanto, após a benção de Sufi Saint Salim Chisti, teve um filho Salim, que se tornou herdeiro do seu trono.

A fazer tapetes de Seda
O túmulo de Salim Chisti Ka Mazar foi construído em honra do Sufi Saint Salim Chisti em 1571 por Akbar. (o túmulo fica situado na mesquita mesmo ao lado do complexo de palácios de Fatehpur Sikri).

 

Fatehpur Sikri partilhava os seus deveres imperiais com Agra. No Forte Vermelho, em Agra, estavam uma grande parte do arsenal bem como do tesouro e outras reservas. Durante períodos de crise, a corte, o harém e o tesouro podiam facilmente ser transportados de Fatehpur para Agra (ficava a menos de um dia de caminhada).

 

Akbar (para não fugir à regra) tinha mais do que uma mulher e várias concubinas! No caso de Akbar ele gostava de as conhecer e de conhecer a sua cultura, religião,… Em Fatehpur Sikri encontramos nos vários palácios das suas mulheres traços que nos contam a religião de cada uma: vimos um com traços hindus, outro católico…

 

Akbar gostava muito de ouvir as opiniões de todos e graças ao seu espírito aberto, emergiram em Fatehpur muitas inovações em termos de cunhagem de moeda, organização militar, gestão de províncias,…

 

Fatehpur Sikri faz parte do Património Mundial.

A chegada a Fatehpur Sikri
Alguns dos mais importantes edifícios desta cidade são:

 

- Naubat Khana: Drum house: perto da entrada, onde as visitas mais importantes eram anunciadas;

- Diwan-1-Am: Hall of Public Audience: um edifício onde o imperador se encontrava com o seu povo;

- Diwan-i-Khas: Hall of Private Audience: famoso pelo seu pilar central

- Raja Birbal's house: a casa do ministro favorite de Akbar

- Mariam-uz-Zamani's palace: o edifício mostra a influência de Gujarati e foi construído à volta de um pátio com um cuidado especial para manter a privacidade;

- Pachisi Court: um quadrado enorme no pátio que servia como tabuleiro dejogo compeças humanas

- Char Chaman Tank: um lago artificial com uma plataforma central e 4 pontes até a centro

- Panch Mahal uma estrutura palacial com 5 andares.

Fatehpur Sikri
O último andar tem 176 colunas todas com gravações

- Jama Masjid: a mesquita construída à maneira das mesquitas indianas

- Tomb of Salim Chisti: um túmulo em mármore branca construído no centro da mesquita


Terminamos a nossa visita a Fatehpur Sikri com a ida à mesquita Jama Masjid e ao túmulo de Sufi Saint Salim Chisti.

Seguimos para Agra, a cidade do Taj Mahal, e finalmente chegamos ao Holliday Inn.

Agra é uma cidade situada nas margens do rio Yamuna no estado de Uttar Pradesh. Foi fundada em 1504 pelo Sultão Sikandar Lodi.

Durante os séculos XVI e XVII a corte imperial mongol residiu em Agra antes de mudar a capital para Deli. A cidade estrategicamente colocoda nas margens do rio Yamuna a ao longo da Grng Trunk Road, floresceu sob o domínio dos imperadores Akbar, Jahangir e xá Jahan, atraíndo artesãos da Pérsia, da Ásia Central e de outras partes da Índia. Estes participaram na construção de luxuosos fortes, palácios, jardins e maisoléus, como o Taj Mahal, o Forte de Agra, e Fatehpur Sikri, a capitak abandonada por Akbar, todos declarados Patromónio Mundial da Humanidade. Com o declínio do império mongol, Agra foi conquistada pelos Jats, os Maratas e finalmente pelos Britânicos no início do século XIX. 

À noite tinhamos planeado ir jantar ao Bellevue mas quando finalmente lá chegamos, percebemos que tinhamos de ter reserva.

A Mesquita de Fatehpur Sikri
A grande aventura foi mesmo conseguir chegar ao restaurante. Primeiro a negociação com os rikshaws não foi fácil: alguns pediam 70 rupias para nos levarem ao Bellevue mas não sabiam onde era… viramos costas. mais 20 metros e encontramos outros rikshaws com quem negociamos e que diziam saber onde era o restaurante… alguns kms de viagem depois percebemos que eles estavam tão perdidos quanto nós! Acabamos por jantar no Pizza Hut.

por Carla Basilio

Join TravBuddy to leave comments, meet new friends and share travel tips!
Os nossos elefantes
Os nossos elefantes
Amber Fort
Amber Fort
P Miguel e a carla na praça de Am…
P Miguel e a carla na praça de A…
Red Fort
O jardim interior de Amber Fort
O jardim interior de Amber Fort
LOL... Funny Face!
LOL... Funny Face!
A fazer tapetes de Seda
A fazer tapetes de Seda
A chegada a Fatehpur Sikri
A chegada a Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
A Mesquita de Fatehpur Sikri
A Mesquita de Fatehpur Sikri
A iniciar a subida de elefante at…
A iniciar a subida de elefante at…
Os nossos elefantes
Os nossos elefantes
Amber Fort
Amber Fort
A Rute e o seu elefante
A Rute e o seu elefante
A Sandra e o Hugo no elefante
A Sandra e o Hugo no elefante
Yak! Merda everywhere!
Yak! Merda everywhere!
Amber Fort
Amber Fort
Na praça de Amber Fort
Na praça de Amber Fort
Chegada a Amber Fort
Chegada a Amber Fort
A Mesquita de Fatehpur Sikri
A Mesquita de Fatehpur Sikri
Um macaco em Amber Fort
Um macaco em Amber Fort
A Mesquita de Fatehpur Sikri
A Mesquita de Fatehpur Sikri
Amber Fort
Amber Fort
O jardim interior de Amber Fort
O jardim interior de Amber Fort
Amber Fort
Amber Fort
Amber Fort
Amber Fort
O Dani e o seu elefante
O Dani e o seu elefante
Uma panela para fazer Chicken Tick…
Uma panela para fazer Chicken Tic…
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
A Mesquita de Fatehpur Sikri
A Mesquita de Fatehpur Sikri
Estão-se a rir de quê... ei?
Estão-se a rir de quê... ei?
Amber Fort
Amber Fort
As meninas
As meninas
Tecelão
Tecelão
Tecelã
Tecelã
Tapetes
Tapetes
Fatehpur Sikri
Fatehpur Sikri
photo by: joseph98